O alquimista

NEM TRANSMUTAÇÃO DE METAIS NEM ELIXIR DA LONGA VIDA - A PEDRA FILOSOFAL AO PODER

quinta-feira, fevereiro 22, 2007

SOAJO - CAVALOS SELVAGENS (2006)

(...)

Sempre que o vento te ralhe

E a chuva de Maio te molhe

Sempre que o teu barco encalhe

E a vida passe e não te olhe

(...)

Porque sou o cavaleiro andante

Que o teu velho medo inventou

Podes vir chorar no meu peito

Pois sabes sempre onde estou

(...)

Podes vir chorar no meu peito

Longe de tudo o que é mau

Que eu vou estar sempre ao teu lado

No meu cavalo de pau

CARLOS TÊ - CAVALEIRO ANDANTE

4 Comments:

  • At 5:24 da tarde, Blogger MJ said…

    "Podes vir chorar no meu peito"
    Longe de tudo o que é mau"

    Tá vem... eu bou! :-))

    Beijo à Puarto (de abrigo) :-)))

     
  • At 6:49 da tarde, Blogger alquimista said…

    Intão aunda,crida :)))

    Veijo graunde :)))

     
  • At 11:35 da tarde, Anonymous AMIGA DESINTERESSADA said…

    MJ

    Ó FILHA PÕE-TE A PAU... COMO O CAVALO!!! QUANDO A ESMOLA É GRANDE...

     
  • At 11:28 da manhã, Blogger marialascas said…

    Sempre procurei esse cavaleiro andante, até no Soajo também, na voz do Rui Veloso... ainda procuro,diga-se.

     

Enviar um comentário

<< Home