O alquimista

NEM TRANSMUTAÇÃO DE METAIS NEM ELIXIR DA LONGA VIDA - A PEDRA FILOSOFAL AO PODER

sexta-feira, fevereiro 23, 2007

VINTE ANOS DEPOIS



Somos filhos da madrugada
Pelas praias do mar nos vamos
À procura de quem nos traga
Verde oliva de flor no ramo
Navegamos de vaga em vaga
Não soubemos de dor nem mágoa
Pelas praias do mar nos vamos
À procura da manhã clara
Lá do cimo duma montanha
Acendemos uma fogueira
Para não se apagar a chama
Que dá vida na noite inteira
Mensageira pomba chamada
Companheira da madrugada
Quando a noite vier que venha
Lá do cimo duma montanha
Onde o vento cortou amarras
Largaremos pela noite fora
Onde há sempre uma boa estrela
Noite e dia ao romper da aurora
Vira a proa minha galera
Que a vitória já não espera
Fresca brisa, moira encantada
Vira a proa da minha barca

4 Comments:

  • At 1:35 da manhã, Anonymous ASPÁSIA said…

    GRANDE ZECA
    GRANDE CANÇÃO
    GRANDE LEMBRANÇA

    BEIJINHOS NA MADRUGADA.

     
  • At 11:02 da manhã, Blogger MJ said…

    Este homem era um genial criador e intérprete :-)

    Naquela altura, talvez por ser ainda uma jovenzinha, não dei às suas canções o valor que lhes dou hoje.
    É preciso uma certa maturidade para se saborear as coisa de outro modo. :-))

    Beijo libertador*

     
  • At 11:13 da manhã, Blogger alquimista said…

    Pois é verdade.

    E interessante é o facto de ele dizer que "falar de música, para mim, é como falar de óleo de rícino...!!!"

     
  • At 11:14 da manhã, Blogger alquimista said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     

Enviar um comentário

<< Home