O alquimista

NEM TRANSMUTAÇÃO DE METAIS NEM ELIXIR DA LONGA VIDA - A PEDRA FILOSOFAL AO PODER

segunda-feira, março 26, 2007


MEMÓRIAS DE CROCODILO
CAPÍTULO 6

A outra escola, a oficial, que me acolheu durante toda a instrução primária, (penso que lhe chamavam assim não por ser uma instrução básica no sentido militar do termo mas por nela estar o primado da educação, tal como hoje sendo básica no sentido pedagógico se esforça por ser também primária no sentido das que estão em primeiro lugar) ficava na esquina da Rua da Alegria com a Rua da Escola Normal, embora a esta houvesse, também, quem lhe chamasse rampa, por motivos óbvios. Escola Normal se chamava mas fora antes do Magistério Primário e ali estava desde mil oitocentos e oitenta e cinco, mandada construir pela Monarquia.


Às nove da manhã perfilávamo-nos no átrio com aquelas pastas de cartão de tiras de cabedal e cantávamos o Hino. Na sala, a trilogia Cristo, Salazar e Craveiro Lopes (mais tarde substituído por Américo Tomás) escoltava a D. Matilde na tutelar missão de nos guiar até às portas do Liceu, (os mais disponíveis para seguir estudos, fosse por excesso de massa no cérebro ou na carteira) ou da Escola Técnica (os menos ambiciosos por falta dela em algum dos locais ou em ambos).

As carteiras, as outras, encontravam-se alinhadas em quatro pares de colunas, sendo que na primeira estavam os melhores alunos e na quarta os mais fracos. Dentro de cada coluna os melhores estavam à frente e os menos bons atrás. Às segundas-feiras, quinzenalmente, era feita a actualização (upgrade lhe chamaríamos hoje) dos lugares em face das nossas flutuações cognitivas, o que tornava esses dias particularmente inquietantes. Quanto a mim, andei sempre pela primeira coluna, mais à frente ou mais atrás, tendo passado, inclusivé, algumas semanas no par de carteiras da frente, o que significaria por exemplo, em termos velocipédicos, que, embora não viesse a ganhar a etapa, tinha andado, pelo menos, algum tempo em fuga. Reorganizado o xadrês da equipa, voltavamos às voltas dos ditados e dos problemas, estes últimos, para mim, um verdadeiro problema.


Aflora-me agora mesmo à lembrança uma manhã em que me recusava sair da cama dizendo à minha mãe que me doía muito a cabeça e que estava com febre. Não me sendo favorável o teste do mercúrio, logo ali a minha mãe decidiu levar-me à escola e fazer a entrega em mão à D. Matilde. Posta ao corrente das minhas maleitas, esta sentenciou: “- A doença do Agostinho sei eu qual é, são os problemas”. Dá-me duas estaladas e manda-me para o lugar. Já não me bastava ser tratado por aquele nome e ainda por cima levava na cara…

(continua...)

............................................................................................................

RESPOSTA 5: Nº 1

PERGUNTA 6 : Como se chamava o meu melhor amigo na Escola Primária ?

a) Sérgio

b) Renato

c) Vale

d) Abreu

4 Comments:

  • At 10:26 da tarde, Blogger MJ said…

    Doce Alquimista :-)

    Conheço bem esta Escola Normal. A minha irmã fez lá o curso do Magistério Primário. :-)

    Com que então, Matemática não é o teu forte!:-) Nem o meu :-(

    Mas fiquei com muita pena do Agostinho :-(( Um esforço inglório...

    O nome do melhor amigo??
    Essa pergunta não vale!!
    A resposta não está no texto!!!

    Pronto... era o Vale :-)

    Beijo problemático*

     
  • At 12:07 da manhã, Blogger Aspásia said…

    HALLO ALQUI...

    COM AJUDA DO LEITOR DO ECRÃ LÁ OUVI HOJE OS CAPITULOS ANTERIORES...ISTO É MAIS UMA AJUDA FELIZMENTE NÃO SOU INVISUAL, DE MODO Q SEMPE VOU LENDO ALGUMAS PARTES...

    COM Q ENTÃO AOS 8 ANOS JÁ ANDAVA METIDO EM RUAS ESCUS(R)AS!!! EU LOGO VI... MAS ERA ESCUSADO...

    TB GOSTEI MUITO DAQUELA PARTE DA PRATICÂNCIA DOS TIOS DO MENINO... MAS ALGUM FOI PRATICANTE DE FARMÁCIA? PARA AGORA O SOBRINHO DAR EM ALQUIMISTA...
    POR ACASO MINHA MÃE FOI PRATICANTE NA FARMÁCIA DE UM TIO.... MAS POUCO TEMPO.

    QUANTO A MIM... SEMPRE FUI MAIS TEORIZANTE QUE PRATICANTE!!!

    E QTO A ESTA ESCOLA NORMAL... ESPERO QUE NÃO O TENHA "NORMALIZADO" COMO OS ENVELOPES...

    MAS PELAS PROVAS DADAS AO LONGO DESTES MESITOS EM QUE O VOU + OU - CONTROLANDO, CREIO BEM Q NÃO...

    QTO A MATEMÁTICA É O MEU FORTE!!! POSSO DAR EX-(3,14159...)-CAÇÕES POR EMAIL...
    QDO TIVER ISTO DOS PCS COMO DEVE SER TENHO UMA COISA GIRA DE MATEMÁTICA PARA PÔR NO MEU JARDIM...
    ADIANTO QUE É "PROVAR QUE 2=3".
    PODE IR TENTANDO...SE CONSEGUIR ARRANJO LHE UMAS INDULGÊNCIAS DA IURD!

    QTO AO COLEGA, INCLINO-ME MAIS PARA O RENATO (NASCIDO 2 VEZES...)

    BEIJOS INEQUACIONADOS...

     
  • At 12:09 da manhã, Blogger alquimista said…

    Olá João:

    Efectivamente a Matemática nunca foi o meu forte, embora no sétimo ano tivesse dado explicações a alunos do 5º...

    Desde novo o exercício físico sempre foi o meu forte, como se verá novamente daqui a dois capítulos.

    Quanto à resposta não estar contida no texto é assim: como isto é uma brincadeira (jogo) tem de ter sempre uma percentagem de aleatoriedade, sorte e azar...

    Beijo simplesmente

     
  • At 12:19 da manhã, Blogger alquimista said…

    Aspásia:

    Seja bem vinda. Lamento que não possa ler com naturalidade estas minhas memórias, porque não sendo nada de especial, gostaria de as partilhar com todas as pessoas que me visitam.

    Quanto ao 2=3 espero que se no Domingo o Porto empatar com o Benfica 2 a 2, o 2 do Porto seja esse seu igual a 3:)

    Bj

     

Enviar um comentário

<< Home